O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

. OS PROCESSOS INCONCLUSIVO...

. PARA ONDE NOS LEVA O GOVE...

. UMA NOVA OBRA DE MISERICÓ...

. ANDAR A PÉ…

. OS 508 ANOS DA MISERICÓRD...

.arquivos

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Quarta-feira, 10 de Maio de 2017

HELICÓPTEROS “CLANDESTINOS” SOBREVOAM A REGIÃO

Artigo de opinião publicado na edição do JM de 29 de Abril de 2017

 

O JM, na sua edição de 26 de Abril, noticiou que “o presidente do Governo Regional da Madeira diz ser estranho que o Governo da República tenha enviado para a região autónoma dois helicópteros de combate a incêndios florestais sem informar o Executivo regional”.

Tal facto, que tomo como verdadeiro, é, a meu ver, de uma extrema gravidade. Primeiro, porque ignora os preceitos constitucionais e legais sobre a matéria. Segundo, porque ilustra a ignorância e o desprezo com que os governos do PS costumam tratar os órgãos legítimos de poder nas Regiões Autónomas.

A questão em apreço é de tal maneira importante no enquadramento jurídico-constitucional e legal das autonomias que a Constituição da República contém um preceito expresso sobre o assunto, há uma lei da Assembleia da República, a Lei n.º 40/96, de 31 de Agosto, que regula expressamente o dever de audição que impende sobre os órgãos de soberania em relação aos órgãos de governo próprio e a Lei de Segurança Interna (cf. Lei n.º 53/2008, de 25 de Agosto), directamente aplicável à matéria em apreço (protecção civil), contém um artigo que reforça aquele dever de audição.

Vejamos, então, o que impõem a Constituição e a lei ordinária sobre esta matéria. O artigo 229.º da Constituição da República, que se ocupa da cooperação entre os órgãos de soberania e os órgãos de governo próprio, dispõe, no seu n.º 2, que “os órgãos de soberania ouvirão sempre, relativamente às questões da sua competência respeitantes às regiões autónomas, os órgãos de governo regional”. Sublinho a palavra sempre. A Lei n.º 40/96, que regula o dever de audição, estabelece, no seu artigo 4.º, que, quanto aos actos legislativos, devem ser ouvidos os parlamentos regionais, e que, quanto às questões de natureza política e administrativa, devem ser ouvidos os governos regionais (sendo este o caso). Finalmente, o artigo 10.º da Lei de Segurança Interna, sob a epígrafe “Regiões Autónomas”, determina que: “As medidas destinadas à coordenação e à cooperação das forças e dos serviços dependentes de diferentes ministérios, aplicadas nas regiões autónomas, devem ser executadas sem prejuízo das competências do Representante da República e dos órgãos de governo próprio da Região”.

Deixando de parte a controvérsia política e técnica sobre a utilização ou não de meios aéreos no combate aos fogos florestais na Madeira, é de toda a evidência que o envio de meios aéreos para a Região com tal objectivo concita a observância e aplicação daqueles dispositivos constitucionais e legais. A sua não observância no caso em apreço gera a inconstitucionalidade e ilegalidade das decisões tomadas a esse respeito, conclusão sufragada pela jurisprudência do Tribunal Constitucional. O combate aos fogos florestais, bem como a resposta a qualquer outro tipo de calamidades públicas, é matéria da competência das autoridades e serviços regionais, sem prejuízo da cooperação dos serviços da República, quando solicitados e devidamente articulados com os órgãos de governo próprio.

Não podemos deixar passar em claro esta grosseira violação dos deveres da República para com a Região Autónoma da Madeira. Sobretudo vinda de quem vem!

 

publicado por domaràserra às 12:26
link do post | comentar | favorito
|

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Janeiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds