O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. EM DEFESA DA VIDA - CONTR...

. RUI RIO FADADO PARA VENCE...

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

. OS PROCESSOS INCONCLUSIVO...

.arquivos

. Junho 2018

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Sexta-feira, 19 de Abril de 2013

CRÓNICA PARLAMENTAR (27)

Publicada na edição do Jornal da Madeira de 6 de Abril de 2013

 

 

 

1.       Francisco I, o novo Papa

O Papa Emérito, Bento XVI, distinguiu-se pela sabedoria, lucidez e profundidade do seu pensamento. Tinha a postura, a distinção e a elegância de um verdadeiro Príncipe da Igreja. Assim chegou à sédia pontifícia, assim resignou. A sua lucidez levou-o ao ponto de reconhecer que lhe faltavam as forças e o vigor para continuar o seu ministério de mais alto responsável pelos destinos da Igreja Católica. Que bela lição de desprendimento e responsabilidade!

 

O novo Pontífice, cuja sintonia com o Papa Emérito me parece evidente, reúne um ineditismo invulgar que, desde logo, o coloca numa posição ímpar na História da Igreja: é o primeiro cujo nome se inspira num santo que cultivou, em elevado grau a defesa dos pobres; é o primeiro Papa originário da América Latina; e é o primeiro Bispo de Roma saído da Companhia de Jesus. Três primazias que podem inspirar um surpreendente programa de acção à frente dos destinos da Igreja. Informal e desprendido, Francisco I vem dando sinais de que o Espírito Santo esteve presente no Conclave que o elegeu.

 

2.       Sócrates igual a si próprio

Se, como dizem, Sócrates tem estado a estudar em Paris, então não aprendeu nada, não mudou nada. Continua igual a si próprio. Com os mesmos defeitos, com os mesmos vícios, agora acrescidos da irresponsabilidade demonstrada, quer no timing do seu regresso, quer na “narrativa” que utilizou para defender o indefensável.

 

Por aquilo que disse na entrevista à RTP1 – que propositadamente não vi, mas teve a mais ampla cobertura dos OCS – ficou-se a perceber que o seu regresso não foi determinado por nada de nobre ou construtivo, mas apenas por um vil desígnio de vingança e de branqueamento da sua prestação enquanto primeiro-ministro. Com os estudos em Paris, Sócrates não aprendeu nada, parece mesmo que regrediu, na medida em que perdeu completamente a noção de que os portugueses são capazes de distinguir a verdade da mentira e de que não se deixarão iludir, de novo, por figuras de retórica e por um argumentário que muito fica a dever à lógica e à isenção e objectividade de análise. Sócrates, que enganou muita gente durante seis anos de governo, é ingénuo ao ponto de pensar que vai continuar a enganar os portugueses, a “vender gato por lebre”.

 

Perdido o esplendor do poder, que usou e de que abusou a seu bel-prazer, hoje, Sócrates não passa, afinal, de um charlatão, arrogante, convencido, orgulhoso, irresponsável e vingativo, incapaz de reconhecer os seus erros e de pedir perdão pelo mal que fez aos portugueses. Tudo como dantes: mentira sistemática, “teatro” e tacticismo permanente. Dele não se pode esperar outra coisa.

 

3.       Intempéries: dois pesos, duas medidas

Os Arquipélagos da Madeira e dos Açores têm sido fustigados por intempéries que têm afectado gravemente as pessoas e bens de ambas as Regiões Autónomas. Volto a este assunto porque notei, a propósito do mau tempo que atingiu recentemente algumas ilhas dos Açores, a diferente maneira como os órgãos de comunicação social e alguns especialistas em questões de ambiente e urbanismo se têm pronunciado sobre os mesmos fenómenos da natureza, quer se trate da Madeira, quer se trate dos Açores.

 

Se a fúria dos elementos se faz sentir na Madeira e provoca derrocadas, aluimentos de terras, interrupção de vias de comunicação, destruição ou danificação de casas e de equipamentos de utilização colectiva, se faz transbordar as ribeiras e, consequência extrema, desaloja famílias ou ceifa vidas, a culpa é das obras da “Madeira Nova” e do desregramento urbanístico consentido pelas autoridades regionais e autárquicas. Tudo é imputável à acção dos homens, não relevando a anormalidade das condições atmosféricas, nem a morfologia característica das nossas ilhas.

 

Se a fúria dos elementos se faz sentir nos Açores com efeitos semelhantes ou mais devastadores, então isso fica a dever-se à natureza dos solos, à inclinação dos terrenos, às contingências próprias de um clima mais austero, ao acaso, quiçá à vontade divina, mas nada é imputável à intervenção do homem, nem muito menos  à actuação das autoridades locais ou regionais.

 

É a lógica subjacente à ideia de que uma das Regiões é exemplar, a outra cheia de defeitos e vícios e que, por isso, uma deve ser beneficiada, a outra penalizada. 

publicado por domaràserra às 16:01
link do post | comentar | favorito

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds