O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. POLÍTICA E FUTEBOL

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. EM DEFESA DA VIDA - CONTR...

. RUI RIO FADADO PARA VENCE...

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

.arquivos

. Setembro 2018

. Junho 2018

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Sexta-feira, 29 de Julho de 2016

DESEMPREGO, POBREZA E REFUGIADOS

Artigo de opinião publicado na edição do JM de 23 de Julho de 2016

 

Todos lamentamos a situação em que se encontram estas três categorias de pessoas: os desempregados, os pobres e os refugiados. Nesse sentimento louvável, assim tão generalizado, está subjacente a tendência para pensarmos que se trata de categorias homogéneas, quanto às suas causas, quanto às suas características e quanto às soluções para superar as situações em que tais pessoas se encontram. Ora, esta perspectiva não me parece correcta, quer do ponto de vista ético, quer do ponto de vista lógico.

A primeira grande questão que devemos colocar é a de saber se a causa dessas situações é injuntiva, decorrente de factores extrínsecos à própria pessoa, ou se radica numa opção do próprio, deliberada ou simplesmente negligente.

Outro aspecto que me parece de grande relevância é o de saber se tal pessoa, que se encontra numa das três referidas situações, está disposta a fazer tudo quanto se encontra ao seu alcance para se libertar dela e se esse seu desejo é efectivo e sério no sentido de voltar a ter uma vida normal e honesta de trabalho.

Também é preciso esclarecer se uma pessoa desfavorecida por alguma daquelas causas não está apenas interessada em alcançar certos benefícios que resultam da situação em que se encontra e cuja continuidade depende da manutenção da mesma. Pense-se, por exemplo, naquelas pessoas que auferem rendimento social de inserção e que tudo fazem para manter a situação de pobreza que esteve na sua origem, desinteressando-se de procurar emprego ou exercer qualquer outra actividade útil à comunidade. É que a concessão deste tipo de apoios, quando não é devidamente justificada e quando não sujeita o beneficiário ao chamado «tributo social» ou a outro tipo de deveres, acaba por tornar-se numa eficaz forma de manter a pobreza, diria mesmo, de multiplicar o número de pobres, com as inerentes consequências de ordem social.

É frequente ouvirmos dizer, no âmbito de certo discurso político, que as iniciativas individuais ou paroquiais de «caridadezinha» para combater a pobreza não resolvem o problema e que é ao Estado que cabe encontrar soluções colectivas para o combater. Não negamos as responsabilidades dos entes públicos no combate à pobreza e ao desemprego, mas tal assunção de responsabilidades não deve consistir apenas em substituir a esmola do cidadão generoso pela esmola colectiva do Estado, sem que lhe corresponda um rigoroso levantamento das efectivas necessidades do candidato a tal apoio e um controlo permanente sobre a evolução da situação do próprio e do seu agregado familiar. Obviamente, sem prejuízo da adopção das medidas políticas de fundo para erradicar a pobreza e combater o desemprego, e sem menosprezo pelo papel que pessoas e entidades privadas desempenham neste domínio.

E o mesmo raciocínio é válido, mutatis mutandis, para os desempregados e refugiados. É que, na ausência de uma criteriosa avaliação das causas e de uma adequada monitorização das situações, estas transformam-se numa incontrolável bola de neve.

Objectivamente, o que se pretende salientar, neste contexto, é que a pobreza não acaba sem a ajuda e o empenhamento dos próprios pobres; que o desemprego não diminui se os desempregados não quiserem trabalhar; que o surto de refugiados só abrandará quando estes moderarem os seus sonhos, não se deixando enganar por pretensos salvadores sem escrúpulos, que, em muitos casos, os levam à miséria e até à morte. Como em tudo, é preciso olharmos não só para o anverso da moeda, mas também para o seu reverso…, chamando cada um às suas responsabilidades.

publicado por domaràserra às 13:35
link do post | comentar | favorito

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds