O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. EM DEFESA DA VIDA - CONTR...

. RUI RIO FADADO PARA VENCE...

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

. OS PROCESSOS INCONCLUSIVO...

.arquivos

. Junho 2018

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Terça-feira, 12 de Junho de 2018

A INEVITÁVEL VITÓRIA DA VIDA (1)*

Artigo de opinião publicado na edição do JM de 31 de Maio de 2018

 

Hoje podemos celebrar a vitória da vida contra as tentativas para legalizar a eutanásia. Eis as razões pelas quais o SIM tinha que ser derrotado.

 

     1. Pela defesa do direito à vida

Este é o primeiro e o mais importante dos direitos fundamentais da pessoa humana. O direito à vida está consagrado nas Constituições de todos os países, por se reconhecer que é um direito natural que precede e se impõe a todos os sistemas jurídicos. Essa é também a razão por que o artigo 24.º da Constituição da República reconhece que “ a vida humana é inviolável”. O direito à vida é um direito absoluto, indisponível e irrestrito. O direito à vida também não é referendável, nem pode estar sujeito a ideologias ou modas.

É com base nesta caracterização e reconhecimento do direito à vida, que sou contra todas as práticas inspiradas numa cultura de morte, como são o aborto e a eutanásia. Os projectos pendentes na Assembleia da República não se reconduziam ao mero eufemismo utilizado pelos seus defensores, que falavam de morte clinicamente assistida ou em liberdade de morrer. O que estava verdadeiramente em causa era a instituição de um homicídio “legal” ou de um suicídio assistido.

 

     2. Para evitar um trágico revivalismo

A possibilidade de se recorrer à eutanásia para pôr termo à vida humana não pode deixar de ser encarada como uma reminiscência das políticas eugénicas praticadas por regimes totalitários e desumanos de má memória. Tal possibilidade teria em si o gérmen de novos “genocídios”, camuflados por motivos de falsa compaixão ou até de cariz economicista.

 

 

     3. Para contrariar o mito do direito ao corpo

É corrente certas pessoas invocarem “o direito ao seu corpo” para legitimarem o aborto e a eutanásia. A haver um direito ao corpo ele só poderia ser entendido como uma expressão do próprio direito à vida, como bem ilustra o brocardo secular de mens sana in corpore sano, e nunca como forma de pôr em risco a própria vida ou a vida de terceiros. Aliás, se com tal expressão se pretender referir um “direito sobre o corpo”, este direito não existe nem à luz da Ética, nem à luz do Direito, já que tanto a Moral como o Direito proíbem a auto-mutilação e a tentativa de suicídio.

 

     4. Para desmistificar a falácia do direito a uma morte digna

Os defensores do SIM tentaram fazer-nos crer que a eutanásia tinha em vista proporcionar uma morte digna aos eutanasiados. Deixemo-nos de falácias! O que nos deve preocupar, a todos, sobretudo aos mais altos responsáveis políticos, é que as pessoas, desde que nascem até ao fim dos seus dias, tenham uma vida digna. Porém, alguns políticos, tentaram agora iludir os cidadãos com a preocupação de que as pessoas tenham “uma morte digna”, expressão recentemente usada pelo primeiro-ministro na abertura do congresso do Partido Socialista. O que devia preocupar o PM e o seu governo era melhorar as condições do SNS, incluindo aí os chamados cuidados paliativos, em vez de nos quererem distrair com os benefícios da eutanásia, a exemplo, aliás, do que fez José Sócrates com as chamadas causas fracturantes.

*Continua numa próxima edição do JM

publicado por domaràserra às 09:14
link do post | comentar | favorito

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds