O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. POLÍTICA E FUTEBOL

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. A INEVITÁVEL VITÓRIA DA V...

. EM DEFESA DA VIDA - CONTR...

. RUI RIO FADADO PARA VENCE...

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

.arquivos

. Setembro 2018

. Junho 2018

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Terça-feira, 8 de Novembro de 2016

ANDAR A PÉ…

Artigo de opinião publicado na edição do JM de 07 de Novembro de 2016

                                                                        

Andar a pé, além de fazer bem ao corpo, deleita o espírito e constitui uma fonte inesgotável de conhecimento e desmistificação. Tomemos por área de caminhada a cidade do Funchal. É andando a pé que se vê que a cidade já não é a mesma que em anos sucessivos mereceu o galardão de cidade mais limpa da Europa: por toda a parte acumula-se o lixo feito de papel, pastilhas elásticas, dejectos de animais, pontas de cigarro, etc. Caminhando pelas ruas da cidade, tanto na baixa, como nas zonas habitacionais da meia encosta, encontramos pavimentos polidos pelo uso ou esburacados, que constituem um permanente risco de queda. É nesses percursos pedestres que tropeçamos frequentemente em perigosas irregularidades dos passeios, empoados pelo efeito das raízes das árvores ou por arranjos ou obras recentes que esperam tempos e tempos para serem removidos os resíduos de materiais e devidamente acabadas. Andando por aí, é que se vê o cano rôto vertendo água dias e semanas até que seja reparado, com o inerente desperdício e risco para os transeuntes e manutenção dos caminhos, é que se dá pela fonte cuja torneira pinga dia e noite, pelas adufas mal tapadas ou mesmo perigosamente esburacadas. Caminhando a pé, sentimos as dificuldades de circulação que nos criam as obras em curso, com andaimes de onde caiem resíduos de materiais e água, sem a segurança e protecção adequada para os peões; deparamo-nos com passadeiras mal colocadas ou pouco visíveis, devido ao desgaste da respectiva pintura; vemos o espectáculo negativo e por vezes chocante de prédios inacabados, ou desabitados, nalguns casos, ocupados indevidamente por marginais que perturbam gravemente as relações de vizinhança ou a segurança das pessoas e dos estabelecimentos próximos; o mesmo com prédios em ruína, carentes de uma intervenção reabilitadora por parte do município. Andando a pé, também nos apercebemos das dificuldades com que se defrontam os automobilistas, turistas ou vindos do campo, para detectarem onde se localizam as máquinas emissoras dos tickets de estacionamento, cujo aspecto foi camuflado por arte urbana, tão ao gosto dos executivos camarários de esquerda, que normalmente se socorrem da criatividade dos outros…

Temos uma câmara que se preocupa com o que não é da sua competência, que gasta o dinheiro dos munícipes em publicidade enganosa e em duplicação de estruturas e serviços, que consome o tempo dos seus dirigentes em retórica e em artifícios meramente demagógicos, que só pensa na comodidade dos motares, mesmo sem os ouvir, e dos ciclistas, que acarinha os empreendedores virtuais, que está transformada numa delegação do Turismo de Portugal, mas que votou ao abandono o munícipe que anda a pé e a cidade, cujo melhor cartão de visita é a sua limpeza.

É certo que quem anda de carro ou, pior, de mota, não vê nada disto!

 

publicado por domaràserra às 17:23
link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Setembro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30
blogs SAPO

.subscrever feeds