O nome do blog é retirado de uma estrofe do Hino da Madeira, o que indicia, desde logo, a minha matriz política de origem madeirense.

.posts recentes

. RUI RIO FADADO PARA VENCE...

. PERFIL DO NOVO LÍDER DO P...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. O SORRISO DOS POLÍTICOS (...

. ZONA FRANCA – “AUTOEUROPA...

. HELICÓPTEROS “CLANDESTINO...

. OS PROCESSOS INCONCLUSIVO...

. PARA ONDE NOS LEVA O GOVE...

. UMA NOVA OBRA DE MISERICÓ...

. ANDAR A PÉ…

.arquivos

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Setembro 2016

. Julho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Setembro 2015

. Maio 2015

. Fevereiro 2015

. Julho 2014

. Maio 2014

. Dezembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Maio 2012

. Março 2012

. Novembro 2011

. Setembro 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Março 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Maio 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Abril 2009

. Março 2009

Segunda-feira, 26 de Março de 2018

RUI RIO FADADO PARA VENCER

Artigo de opinião publicado na edição do JM de 21 de Março de 2018

 

 

  1. Declaração de interesses

Ao escrever este artigo não me move qualquer interesse ou ambição pessoal, apenas pretendo apresentar as razões por que considero que Rui Rio é o político indicado para desenvolver a estratégia de futuro de que Portugal precisa.

  1. A conquista da liderança do PSD

Ao contrário do que o eleitor poderia pensar, não vou invocar o facto de Rui Rio nunca ter perdido uma eleição, quer na academia, quer nas associações ou empresas a que esteve ligado, quer na política partidária ou autárquica. É de bom augúrio, mas não determina o futuro. Ocupar-me-ei apenas das vitórias e sucessos recentes, ligados à conquista da liderança do PSD e ao modo como a tem exercido.

Ganhar a liderança do PSD foi uma difícil e grande vitória. Rio teve contra si um adversário poderoso, a generalidade dos órgãos de comunicação social, incluindo comentadores e analistas políticos, a máquina do partido, no Continente, na Madeira e nos Açores, os partidos ditos de esquerda e até alguns grandes empresários que se imiscuíram na campanha contra Rio. Apesar dessa forte barragem de opositores, Rio venceu. Sempre acreditei na sua vitória, porque conhecendo o PSD profundo e a ligação de Rio às bases do partido, esse era – e foi – o resultado natural. Muitos ter-se-ão esquecido de que nas “directas” só votam os militantes do partido.

  1. Congresso vencedor

Ao contrário do que a generalidade da informação publicada fez crer, Rio ganhou o Congresso em toda a linha. Rigoroso como é, Rio tinha tudo pensado ao milímetro: prestou a justa homenagem ao líder cessante, Pedro Passos Coelho, convidou Pedro Santana Lopes para liderar a sua lista ao Conselho Nacional, viu aprovada por unanimidade a sua moção de estratégia, dedicou o discurso de abertura à reforma e revitalização do partido, como pilar estruturante do nosso espectro partidário e do próprio regime democrático, e no discurso de encerramento falou para os portugueses, elencando as linhas orientadores do seu projecto de governação. Porém, uma comunicação social, conivente com manobras de bastidor e com estratégias de desgaste da nova liderança, unicamente motivadas por objectivos tacticistas de mera ambição pessoal, fez crer que o discurso que marcou o Congresso foi o de Luís Montenegro e explorou ad nauseam incidentes relacionados com nomes ou de natureza logística.

  1. A lógica dos contactos institucionais ou partidários

Os críticos da nova liderança, mais analistas e comentadores políticos do que militantes do PSD, têm-se entretido em depreciar e até ridicularizar Rio pelo desacerto dos seus primeiros contactos a nível institucional e partidário, pela ordem por que foram acontecendo e pela sua substância. Agrada-me discordar de tais críticas, sublinhando a impertinência e incoerência das mesmas. Do ponto de vista protocolar, os encontros institucionais devem preceder aos encontros de índole partidária e dentro dos primeiros a ordem só poderia ter sido a que foi: primeiro, o Presidente da República, depois o Primeiro-Ministro, que sendo também o líder do partido de governo, dispensou a destrinça bizantina defendida por alguns de que Rio devia ter ido depois à sede do PS, para aí ser recebido por António Costa. A disponibilidade manifestada por Rio para o diálogo interpartidário e as matérias escolhidas pelo líder do PSD terão sido certamente as primeiras de outras que possam seguir-se. Rio mostrou, assim, ter uma concepção moderna e patriótica da política, e também social-democrata, ao colocar o interesse nacional acima dos interesses partidários. Especialmente ridículo é o esforço de alguns, que criticaram a abertura ao diálogo defendida por Rio durante a campanha, em demonstrar agora que esse ímpeto dialogador sempre existiu no tempo de Passos Coelho…

  1. A rebelião de alguns deputados do PSD

Perante um grupo parlamentar rebelde e desafiador, Rui Rio actuou como devia ter actuado. Respeitou a autonomia do grupo, deixando que os deputados escolhessem a nova direcção, apenas dando uma indicação de que veria com bons olhos a candidatura de Fernando Negrão, apesar de este ter sido apoiante de Santana Lopes. O modo como decorreu a eleição foi infelizmente um triste exemplo de quem não sabe perder e desconhece que o dever dos deputados é estarem solidários com a liderança do partido, sem o que é posta em causa a regra fundamental da disciplina de voto. Rio deixou acalmar as águas e, quando lhe pareceu adequado e oportuno, reuniu com os deputados. A este respeito, lembro aos deputados que resolveram brincar com o fogo que a história do PSD ilustra que os rebeldes, a prazo, acabam derrotados.

  1. O homem certo no lugar certo

O modo como até agora Rio tem exercido a liderança do PSD, constitui indicador bastante de que a sua senha vencedora continuará a acompanhá-lo para bem de Portugal e também da Região Autónoma da Madeira.

 

 

 

 

publicado por domaràserra às 16:54
link do post | comentar | favorito

.Manuel Correia de Jesus

.pesquisar

 

.Março 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
29
30
31
blogs SAPO

.subscrever feeds